Como realmente é, ser mãe...

Como realmente é, ser mãe...
Fonte da imagem

Eu tinha 21 anos, fiz o teste de gravidez no banheiro de casa e descobri que estava grávida.
Eu não me senti apavorada, em nenhum momento pensei se meu namorado aceitaria ou não, eu não estava nem um pouco preocupada com isso, minha preocupação era a mãe que eu seria, como ia ser dali por diante.
Incrível como alguns momentos da vida a gente olha e sabe  quanto são cruciais, eu não esperava ter um bebê, pelo menos ainda não, tomamos todas as precauções e por um descuido, que eu sinceramente sequer lembro qual foi, ali estava eu no banheiro me descobrindo grávida.
A notícia me deixou atordoada, eu não contei pra ninguém, nem para o Chris, eu queria me adaptar primeiro, e então eu poderia dizer as palavras em voz alta.
Quando eu decidi que era a hora já havia se passado mais de uma semana.
Ele aceitou bem, ficou feliz e disse que iria me apoiar, quanto a casar ou coisa assim decidimos que talvez fôssemos morar juntos antes do bebê nascer porque ele queria estar perto e me ajudar em tudo. Não posso reclamar dele, era um homem incrível, já com seus 26 anos, nunca foi um galinha baladeiro, sempre me tratou bem e acho que era justamente por isso estávamos juntos há 3 anos quando eu engravidei.
Com 4 meses e meio de gestação estávamos com o apartamento pronto e sabíamos que teríamos uma menina. Achei que ele ia ficar decepcionado, mas ele gostou da ideia de ser pai de uma princesinha.
Durante toda a gestação nós nos aproximamos muito um do outro, aprendemos mais sobre nós e consolidamos uma união saudável.
Uma noite aos 7 meses de gravidez eu percebi o quanto a minha filha havia transformado a minha vida, ela nem tinha nascido ainda e já tinha revirado tudo, por dentro e por fora.
O parto foi tranquilo, foi natural e eu pude sentir minha Felipa vindo ao mundo pouco a pouco, o nome escolhemos juntos, achamos ele lindo e, desde que escolhemos, sempre nos referimos a ela como a nossa Felipa. 
Vê-la foi uma das coisas mais lindas que eu me recordo de ter vivido, os cabelos castanhos, o rostinho inchado e o choro sentido de estar num mundo novo e desconfortável.
Depois daquele dia tudo é novidade, cada coisinha me faz sentir que eu não sei nada sobre ser mãe, eu não sabia que era tão difícil trocar fraldas, nem que o nascimento dos dentinhos iriam fazer meu coração se partir tanto, ouvindo aquele chorinho dolorido das gengivas se rasgando.
Com a minha filha eu aprendi que estar errada é uma constante, perdi a conta, de quantas pessoas palpitaram e disseram todas as coisas que eu deveria ou não fazer. Eu me apavorava com facilidade porque eu achava realmente que estava errada, eu queria ser uma boa mãe, mas a minha bebê não parava de chorar, me tirava o sono, me fazia sentir exausta e eu me sentia feliz e desolada, como se o parto tivesse simplesmente me quebrado ao meio.
Perdi a conta de quantas vezes me senti tão esgotada, queria poder voltar no tempo e não ter engravidado, em seguida me sentindo a pessoa mais horrível do mundo por pensar algo assim, porque eu a amava, mas ela era algo que tinha me mudado tanto...
Eu não estava pronta, não acho isso um problema, na verdade eu acho que nenhuma mulher nunca está pronta para ser mãe, ninguém te prepara para o que é a maternidade, a gente passa a vida acreditando que ser mãe é uma coisa natural, que é a essência feminina, que sempre saberemos o que fazer, mas não é assim, não é tão simples e muito menos um dom, é um exercício diário, é chorar e se sentir péssima, é tomar um banho de 10 minutos e sentir que conquistou o mundo, é ter uma noite inteira de sono e assim que abrir os olhos sentir pavor de "e por que ela não chorou ainda?" correr pro berço para ver se está tudo bem. A maternidade é um abandono, é você se esquecer de quem é, é perder os seus sonhos e multiplicar os medos, é maravilhoso o amor que eu sinto por ela e a gratidão que ela, mesmo sem sequer compreender, me dá todos os dias com seus olhinhos brilhantes.
Eu amo a minha filha, não me arrependo de verdade de ter tido ela, mas tenho um pavor enorme de errar uma vírgula.
Esse medo não é ensinado, minha mãe teve 3 filhos e nunca me disse como era difícil, as pessoas exaltam apenas o lado bom e isso não te prepara pra realidade. Sinceramente, eu me parti ao ter a Felipa, algo em mim se quebrou, não acho isso ruim, mas foi difícil compreender no começo.
Hoje a minha filha está com 6 anos, é uma menina linda, cheia de vida, me tira do sério e faz eu querer esganá-la pelo menos uma vez por dia.
Em todo caso, eu a amo e com o tempo eu aprendi a amar o meu eu mãe, hoje grande parte do medo se foi, eu tenho mais confiança em decidir as coisas e não ligo tanto para a opinião dos outros. Meu marido é um ótimo pai e acho que isso também em ajudou muito, ele esteve do meu lado nos momentos realmente desesperadores dessa jornada e muitas vezes repetiu que eu estava me saindo bem e que acreditava que eu poderia ser mãe, isso me ajudou muito e eu sempre serei grata por isso.
Essa semana uma amiga me perguntou, se não queremos outro filho eu ponderei essa ideia por alguns dias, mas por fim achei que não, é melhor assim como está, não faço questão de ter um outro bebê, eu já fui mãe, já experimentei esse lado meu, mas não vejo necessidade de viver tudo de novo.
Eu só quero dizer uma coisa pra você, mulher que está lendo isso, você não está louca, esse turbilhão é normal, o  medo que está ameaçando te devorar é normal, eu senti ele também. Não deixe que o mundo te faça sentir assim tão mal, você ama o seu bebê, sabe disso, o fato de estar cansada não muda nada, você ainda o ama e daria a vida por ele se fosse preciso, então desencana mulher, vai passar ok? Prometo!

Seja feliz e abrace todo o amor e o dessabor que é ser mãe...




TAG - Os livros da minha vida

TAG - Os livros da minha vida

Fala minha gente!

Hoje aqui tem Tag e essa Tag é nova! Eu procurei muito e não consegui encontrar nenhuma interessante, dai como sou uma pessoa criativa, eu resolvi que criaria a minha própria Tag! \o/

A proposta é muito simples, nessa Tag serão listados os livros da minha vida, com base nos temas estabelecidos, para cada tema escolhe-se um livro, para cada livro deve haver uma justificativa do motivo da escolha, como podem ver é bem simples!

Antes de começar, quero apenas pedir que caso queiram responder a Tag, coloquem o meu blog como referência por gentileza, visto que a Tag é uma criação minha!

Vamos aos temas:

TAG - Os livros da minha vida

Lembro de ter pego o livro na escola, uma edição especial feita pelo governo de incentivo a leitura para escolas estaduais, eram edições diferenciadas com algumas histórias conhecidas como O velho e o Mar, O homem da  Máscara de Ferro e tantos outros títulos que eu li. O Mágico de Oz, se tornou uma das minhas preferidas, amei conhecer  a estrada de tijolos amarelos e todos aqueles personagens tão conhecidos, que marcaram e muito aquela minha fase de vida. 

TAG - Os livros da minha vida

Esse livro com duas histórias foi o marco pra minha paixonite por livros, eu lembro que essa primeira história que deve ter pouco mais de 100 páginas eu levei um ano pra ler, o vocabulário era muito estranho pra mim e eu lia com um dicionário do lado, depois que terminei eu me senti tão motivada que a segunda história do livro foi devorada em poucos dias! Depois disso comecei a ler e não parei mais! 

TAG - Os livros da minha vida

Não tem como falar só de um deles... A Saga Harry Potter é uma unidade, se escolher um é como estragar a harmonia que o todo dá! Eu conheci o Menino que Sobreviveu primeiro em filme, e só lá com meus 19 anos é que fui ter a oportunidade de ler, e amei ainda mais o que vi nas páginas. Lógico que sempre haverá um queridinho e meu preferido é O Enigma do Príncipe. E não, eu não chorei quando Dumbledore morreu em A Ordem da Fênix, nem desconfiei do Snape, eu não gostava do Dumbledore, (me julguem) e amava o Snape (me julguem um pouco mais).

TAG - Os livros da minha vida

Como podem notar na resenha do JaN (aqui) esse livro foi uma grande decepção, último livro de 2016 que me deixou tão revoltada com o autor, revoltada com a reviravolta e desolada por ter conseguido estragar o que estava bom, pra esse livro aplico aquela frase "Não mexa em time que está ganhando".


TAG - Os livros da minha vida

É meu livro preferido do King, eu gostei do Iluminado, mas a iluminação em si é pouco abordada lá, mas... em Doutor Sono, temos aprofundado isso, um Daniel totalmente adulto, ciente daquilo que pode fazer e uma menina incrível! Me apaixonei por esse livro, tem muito amor envolvido e uns planos suicidas daqueles que dá até gosto de ver! Recomendo, todos devem ler!!!!! (Resenha)

TAG - Os livros da minha vida

Comprei esse livro numa promoção, tava R$ 9,90, li a sinopse e achei que era uma coisa romantizada, cheia de mimimi como Crepúsculo. Acaba que o livro é uma distopia incrível, com cenários pós apocalípticos, violência e guerra. Sério, me surpreendeu muito, eu fiquei de cara com a capacidade desse livro, li ele bem rápido e achei muito bom, tem uma temática pouco abordada e muito bem explorada e o que é melhor, em uma perspectiva bem incomum! (Resenha)

TAG - Os livros da minha vida

Tá eu sei que não sou a romântica incorrigível, mas tenho meus momentos de fraqueza. Esse livro eu li por volta de 2005/2006 não me recordo exatamente, mas eu achei a história legal. É um romance de época e personagem principal não é tão sonsa como de costume, ela tem um pouco de personalidade. Curti muito esse livro e nunca mais o achei pra comprar, é um livro que eu teria em casa, gosto dele.


Eu era daquelas tietes dessa saga, tinha todos os livros, li todos e vi todos os filmes, curtia pra caramba, mas com a maturidade veio a certeza que apesar da proposta da trama ser interessante a obra em si é bem ruim, eu acho que a Stephanie escreve mau, não sabe aprofundar bem os personagens e pra mim ela é até mesmo pior que muita autora de romance de banca de jornal. Hoje eu doei meus livros, não curto não.

TAG - Os livros da minha vida

Eu comecei a ler esse livro quando estava na faculdade, peguei na biblioteca e achei a história té interessante, mas por ser um romance de época escrito com aquele palavreado também de época e eu me cansei lendo, achava ele denso, cansativo com todos aqueles termos e coincidiu que na data de devolução eu tava meio enrolada com a faculdade e não renovei, mas, em minha defesa, eu quero muito ler esse livro está na minha lista pra 2017 e vai ter resenha aqui como um marco de vitória! \o/

TAG - Os livros da minha vida

O que dizer né? Dispensa comentários... Esse livro tem a melhor citação, aquela que guardei pra vida e que no setor literário define quem eu sou! Amo muito esse trecho! 

TAG - Os livros da minha vida

Então minha gente esses são os livros da minha vida! 

Lembrando que se quiser responder a Tag, fiquem a vontade, basta que me dediquem os devidos créditos e eu ficarei muitíssimo feliz! Só não pode esquecer de deixar o link para que eu possa ler o seu post ok?






Romance - Belas Supresas... - Parte VII

Romance - Belas Supresas... - Parte VII

Olá gente, hoje tem mais um pedaço da história da Camilly e do Gregory! (Parte I,  Parte II, Parte IIIParrte IV e Parte VI

O tempo correu, do casamento já havia se passado quase um mês, estavam vivendo bem, a barriga já podia ser notada levemente e dali duas semanas estavam com o ultrassom morfológico marcado, para descobrirem o sexo do bebê e finalmente, começar a  montar o quartinho e comprar o enxoval.

Era quinta feira, eles tinham jantando comida chinesa, ela teve um desejo, assistiram alguns episódios de uma série e dormiram. 

Por volta das 2 hora da manhã ela acordou sentindo que as coxas estavam molhadas e grudentas, acendeu o abajur e notou que o lençol parecia manchado e molhado por algo escuro, chamou Gregory e ele se acordou.

- Oi? O que foi? – disse sonolento.

- Eu acho que estou com algum tipo de... – e uma dor lancinante perder o ar abafando um grito.

Ele saltou da cama e acendeu a luz, se deparando com ela deitada sobre uma poça de sangue.

- Amor! Tente ficar o mais calma possível! – Ele disse tentando transparecer segurança a ela. Só que as dores começaram a vir em ondas absurdas, e ela mal conseguia pensar com clareza.

Em poucos minutos ele estava colocando a camisa a ajudando ela a colocar um roupão por cima da camisola manchada e chamando uma ambulância que rapidamente chegou.

Camilly foi levada ao hospital, entrou para atendimento imediato e ele não saiu um segundo de perto dela, a hora seguinte foi um pesadelo. O médico fez um ultrassom e não encontrou mais o coração do bebê, ambos choraram copiosamente sentindo a dor de perder seu filho ali naquela mesa fria, logo após um mês de casamento tranquilo. Pediram que ele fosse cuidar da documentação da internação dela, enquanto lhe faziam a curetagem do feto.

Quando ela acordou já no quarto ele estava ao seu lado segurando sua mão. Ali ela sentiu a maior dor daquela noite, ele parecia tão arrasado quanto ela, e além de perder o bebê ela estava sentindo que logo perderia o marido também, aquele homem bom com o qual viveu 2 maravilhosos meses, sendo tratada como uma rainha, recebendo todo tipo de mimos e carinhos. Aquele homem, seu professor havia lhe salvado da humilhação de ser mãe solteira, estava ali com ela, mas em breve não estaria mais, só agora olhando pra ele é que ela percebia o quanto estava apaixonada por ele, sem poder se conter deixou que as lágrimas rolassem.

- Ah meu amor... Você acordou? Como se sente? – A voz dele era tão impressionantemente doce que ela começou a chorar ainda mais. – Ah meu anjo... – Ele sentou na cama e a puxou delicadamente para seus braços e ali ela desabou, estava se sentindo vazia, como se alguma coisa houvesse sido tirada dela de forma brutal. Se sentia madura como nunca antes e aquilo a assustava muito. Ela o sentia acariciando seu cabelo delicadamente, nunca tinha sentido ele tão próximo, tão emotivo, ele estava sentindo tanto a perda quanto ela.

Naquela noite, ela ficou em observação e a tarde no dia seguinte recebeu alta. Ele pegou um taxi e a levou para casa, por volta das 18h ela notou que estava ainda deitado com ela na cama, aconchegada em seu peito.

- Greg? Hoje é sexta, você tem aula.

- Já liguei para o coordenador e expliquei a situação, hoje não vou, pedi para dispensar a turma, vou repor a aula posteriormente.  

- Poderia ter mandado um trabalho para ser feito em sala.

- Não, você ficaria prejudicada amor, melhor dispensar, nem as faltas você terá. – Ele lhe deu um beijo na têmpora.

- Greg... como vamos ficar agora?

- Como assim? – Ele parecia confuso.

- Você sabe, o casamento... era pelo bebê e... bem... ele se foi... - sentiu as lágrimas encherem seus olhos novamente.

- Não acho que esse é um bom momento pra falarmos disso, as ultimas 24h foram conturbadas, não temos que decidir nada agora. – ela sentiu um alívio tremendo.


O tempo passou, Camilly estava bem, havia feito uma bateria de exames e tudo estava em ordem, a médica até lhe deu esperanças de que poderia engravidar novamente em breve. Naquela noite ela decidiu que tinham que conversar ou explodiria, vinha há semanas tendo pesadelos em que o perdia e ficava arrasada,  estava forte o bastante e pronta para o que decidissem.

Jantaram ela tomou um banho, enquanto ele terminava de corrigir algumas provas, assim que ele terminou ela tomou coragem e disse:

- Gregory, acho que já podemos falar sobre as perspectivas não acha?

- Se você quiser por mim tudo bem.

Ela se sentou na cabeceira cama e ele nos pés. Sempre conversavam na cama, era confortável e mais informal. 

Ele tinha uma expressão grave e ela estava ansiosa, mas queria colocar tudo em pratos limpos, se ficassem juntos, dali pra frente seria tudo às claras, ela diria tudo que sentia e teriam um casamento de verdade.

- Então Greg? O que vamos fazer agora? Nos casamos porque eu estava grávida e você estava disposto a assumir a criança, mas agora esse motivo se foi e eu quero saber o que vamos fazer? Que história contaremos a todos quando nos separarmos? – A última palavra o atingiu como uma bofetada e ele ficou sem reação por alguns segundos. Ela estava pronta para a separação, ia perde-la!

- Quer se separar? – Foi o que conseguiu dizer.

Ela ficou surpresa com a pergunta. Não havia percebido que soara tão pessimista, sentiu uma ponta de arrependimento do modo como falou e a esperança ascendeu lá no fundo parcamente.

- Você não quer? – Ela perguntou.

- Não, se depender de mim, vamos ficar velhinhos juntos. – Ela ficou boquiaberta com a sinceridade dele. – Mas eu não posso te obrigar, se você não me quiser mais...

- Não quero me separar também, só pensei que era isso que você queria. – Ela disse.

- Eu? Não!  Não quer se separar? Por quê? – Ele perguntou finalmente sentindo a mesma parca esperança aparecer no íntimo. 

- Sinceramente? Porque eu percebi que... – Ela engoliu seco, estava prestes a se expor, estava com medo, mas ela tinha que fazer isso, era necessário para começarem dali a ser um casal de verdade. – percebi que não queria ter aquele bebê. – Ele a olhou um pouco atordoado e ela resolveu que precisava continuar. – Pelo amor de Deus não me julgue, eu amava ele, era meu filho estava crescendo dentro de mim, mas... VOCÊ não merecia isso.

- Eu não merecia ter um filho?

- Não Greg, você não merecia ter um filho que não era seu. Você é o homem mais incrível desse mundo, me deu a mão na minha hora mais difícil, durante todo esse tempo me tratou como se eu fosse uma rainha, me presenteou com estabilidade, carinho, atenção e com respeito, me deu tudo, foi meu melhor amigo, chorou comigo naquela sala de ultrassom quando aquele coraçãozinho não se manifestou! Deus, como um homem desses pode simplesmente criar um filho de um desgraçado que me estuprou! Ele me tocou com desdém, me embebedou e me tomou a força! Como você seria digno disso? Você merece ser pai de verdade, ter um filho SEU, do seu sangue concebido com amor, com delicadeza, algo realmente seu, você merece toda a felicidade, o pacote completo, uma esposa completamente apaixonada por você, que carregue um fruto de amor de verdade você merece isso e naquele dia, quando eu acordei no quarto e você me abraçou com todo a sua ternura... Eu estava arrasada por dentro por ter perdido o meu bebê, mas eu estava mais arrasada ainda porque eu notei o quanto você era importante, acho que eu te enxerguei ali, tão frágil quanto eu e eu notei o quanto a sua dor me machucava também... – Ela o olhou e lágrimas estavam escorrendo dos olhos dele, sua expressão era um misto de surpresa e felicidade.

- Eu... Obrigada... Eu... – Ele não conseguia falar direito, seu coração estava transbordando, ela se importava com ele, precisava dizer, precisava desabafar ou explodiria! – Eu te amo tanto Camilly... – Foi a vez dela ficar chocada ele decidiu que agora iria até o fim.

- Eu vi você há pouco mais de um ano, você estava com seu all star, um jeans escuro e uma blusa vermelha, carregando os livros no corredor com o cabelo preso, era apenas mais uma aluna no meio de tantos na faculdade, mas alguma coisa me chamou a atenção e eu fiquei curioso. O tempo passou e eu via você sempre passando pelos corredores. Quando entrei na sala naquele primeiro dia do semestre eu vi você, sentada bem na frente e pensei que fosse um sonho, quando fiz a chamada e descobri seu nome, achei que combinava com você, era delicado como você, eu não tinha a menor ideia de como, mas eu precisava te conhecer, o plano era esperar o semestre passar e tentar chegar mais perto, de repente te convidar pra sair, sei lá eu precisava ouvir a sua voz dizer meu nome e não ficar me chamando de professor. Eu sei que pareço um maluco falando assim, eu não queria ter um caso com uma aluna, queria conhecer essa mulher, de perto eu queria você na minha vida. Ai te encontrei chorando aquela noite, estava apavorada, e eu pensei que seria uma boa oportunidade, eu ia me casar com você e esperar que nunca precisasse te contar isso, porque eu sabia que você ia me achar repugnante, mas seria errado não te dizer que eu te amo, que sou apaixonado por você há muito tempo e que ter você aqui todos os dias é maravilhoso! Desculpe... 

- Desculpe por quê? Por salvar a minha vida? Por me mostrar que nem todos os homens são iguais? Que ao contrário daquele crápula você me tratou com tanto carinho? Se for por isso eu não vou nunca desculpar você! – Ele sorriu.

- Não tem noção do quanto eu amo você... Quando soube do que ele tinha feito com você, nossa eu fiquei possesso, eu o odiei naquele momento, eu não conseguia entender como um homem tem a chance de ter uma mulher como você nos braços a trata assim?

- Você sempre foi tão gentil comigo... – disse ela.

- Eu tinha medo... Medo que você ficasse apavorada, medo que quando eu te tocasse isso te fizesse lembrar daquela noite horrível.

- Você nunca me fez lembrar, nem por um instante dele, eu sei que você nunca me tocaria daquele jeito, sempre delicado e carinhoso. Eu não sei o que você viu em mim, o que te fez me querer, sou só uma caipira, inexperiente. – ela baixou a cabeça. Ele segurou seu queixo e ergueu seu rosto para que ela o olhasse nos olhos.

- Você é uma mulher linda, apesar de jovem é muito madura e isso torna você especial, eu te amo exatamente por você ser assim pura, delicada e experiência se adquire meu anjo, tem mais a ver com o que sentimos juntos, o conjunto todo.

- Eu não sou sensual, nem atraente e...

- Eu te quero quase o tempo todo, tem noção de como é desejar algo que está completamente ao seu alcance e não poder ter? Essas semanas de “jejum” tem sido muito dolorosas, eu fico louco toda noite, em especial quando você se aconchega de conchinha em mim, Deus eu penso que vou enlouquecer de desejo.

- Você me quer? Achei que estava se afastando porque não havia mais gravidez!

- Que absurdo! Eu só queria te dar um tempo, você tinha acabado de abortar, estava esperando que você demonstrasse que estava confortável. Te quero muito, eu sou louco por você!

- Greg, acho que ainda não disse, mas... Eu estou apaixonada por você. – Os olhos dele brilharam, ele se inclinou para a frente e encostou a testa na dela.

- Então acho que é uma boa hora pra eu perguntar... Quer ser minha mulher? Aqui, agora, nessa cama, nesse quarto, selar o nosso casamento, ser minha e me permitir ser seu. – ele se aproximou do ouvido dela e sussurrou. – Todo seu...

Ela sentiu o corpo todo se arrepiar, como um simples sussurro poderia deixar ela assim, com o corpo amolecido.

- Quero... – disse ela em um fio de voz, fazendo um esforço enorme para conseguir pronunciar essa simples palavra.

Ele então eles se beijaram e seu casamento, de verdade começou ali, na noite incrível que partilharam. 

Quando terminaram, ele a puxou para si, ela se aconchegou no seu peito, e ele lhe fez cafuné.

- Então meu amor? Pronta para assumir oficialmente que estamos casados e nos amamos? – Ele perguntou com um sorriso bobo de satisfação.

- Estou, vamos esperar um pouco mais e começar a tentar ter nosso filho, eu não vejo a hora de carregar um pedacinho seu e voltar a ver aquele brilho sonhador nos seus olhos.

- Eu estou tão feliz, sabia? Agora eu posso dizer que sou um homem realizado, conquistei a mulher que eu queria, tenho uma família, e uma vida pra compartilhar com o meu amor.

- As vezes acho que eu não mereço você. 

- Não sou tão bom assim sabia?

- Pra mim é! O melhor!

- Obrigada meu anjo. Amo muito você, tanto que acho que não cabe no peito.

- Também te amo Greg, você me conquistou aos pouquinhos, devagar e quando eu me dei conta já era tarde e eu estava completamente apaixonada.

Eles continuaram conversando por um longo tempo, abraçados e dividindo sonhos para o futuro.

Na manhã seguinte Gregory acordou e ao olhar para o lado foi tomado por uma euforia imensa ao ver Camilly abraçada ao lençol com o corpo quase todo a mostra. Sua esposa estava ali, deitada dormindo tranquilamente ao seu lado. Ela respirava devagar, com a boca entreaberta adormecida. Era tão linda...



Aquela semana foi diferente, eles não conseguiam se desgrudar, faltava pouco para o termino das aulas, e Gregory já havia solicitado a sua demissão, iria dar aula em outra universidade para que não fosse mal interpretado, a respeito de ser casado com uma aluna, logo eles não precisavam mais ser cautelosos.

Camilly entrou na sala e sentou ao lado de Emily como sempre. Quando ele chegou ela sorriu pra ele e ele retribuiu. Ele começou a aula e ela simplesmente babava enquanto ele falava.

- Camilly, seja discreta, você está dando muito na vista que está babando pelo professor, ele é casado mulher. Controle-se.

Camilly sorriu.

Naquela noite eles esperaram todos irem embora da sala para que pudessem ir para o carro de mãos dadas.

Ele a encurralou na porta com os braços e lhe deu um beijo.

- Ah... eu não ia conseguir esperar até chegar em casa – disse com a cabeça encostada na dela e um olhar apaixonado sorrindo.

- Professor? – Era Emily, ela havia visto eles se beijarem. – Vocês estão tendo um caso?

- Não Emily, Greg é meu marido. – disse Camilly.

- Oh! Agora entendo porque você fica com aquela cara de apaixonada na aula. – todos riram.



A viagem



Olá pessoas! 

Uma amiga muito querida a Renata do blog Retipatia que também é parceira nossa lá no JaN volta e meia me manda alguma imagem para um desafio fotográfico que eu amo demais fazer! A imagem da vez é esta que consta no meio do post e a fonte é do Instagram Murad Osmann que tem essas clássicas imagens em vários lugares do mundo. Amo esse insta! Então vamos lá, desafio dado, desafio aceito!


Eu a conheci em uma viagem, sua poltrona era ao lado da minha em um avião para Roma. Eu a achei muitíssimo bonita e qual não foi minha surpresa quando se virou em minha direção e se apresentou, com um sorriso maravilhoso, seu nome era Alice e na mesma hora me lembrei clássico Alice no país das maravilhas, ela usava uma calça confortável, um par de sapatos oxford azuis e uma camisa social azul clara estampada com flores estivo vintage, os cabelos estavam presos em uma trança caprichada dando um lindo efeito, devido as mechas loiras em meio aos fios naturais de um castanho claro cor de mel. Ela viajava para suas férias, trabalhava como promotora de eventos e gostava de conhecer novas culturas para inspirar suas decorações. Durante a viagem ela foi muitíssimo simpática, contando aos lugares que já havia visitado. 
Em dado momento da conversa me perguntou porque eu estava viajando para Roma e lhe contei que eu era fotógrafo e um casal de clientes se casaria em Roma naquele fim de semana, com toda sua impulsividade, me perguntou se poderia ir comigo para ver e se inspirar na decoração. 
Na hora eu hesitei e ela chegou até mesmo a se desculpar, mas eu lhe prometi que conversaria com os noivos e perguntaria se poderia levá-la. Até hoje não sei ao certo o que me fez tomar essa decisão, mas eu queria ter mais contato com ela, era uma mulher interessante e bonita e era minha chance de estar um pouco mais com ela.
Chegando ao aeroporto, meus clientes me esperavam animados para levar até o hotel, expliquei a eles que ela era uma amiga promotora de eventos que veio passar férias em Roma e se poderia levá-la ao casamento e eles aceitaram de primeira.
No fim de semana ela me acompanhou, usava um lindo vestido azul até a altura dos joelhos e os cabelos estavam presos em um penteado frouxo e displicente , a maquiagem leve dava um toque especial e eu a admirei pela simplicidade e por estar tão bonita.
Como era um casamento matutino a festa terminou por volta do fim da tarde e eu finalmente estava livre, resolvemos então pegar um táxi e fazer turismo por Roma. Visitamos a Capela Sistina e foi ali sob o teto pintado por Michelangelo que tivemos nosso primeiro beijo.
A contagem de tempo até aqui é de 4 anos, até hoje em que completamos nosso primeiro aniversário de casados, ela e eu unimos nossos talentos e hoje cobrimos eventos com organização, decoração e fotos. Planejamos ter um bebê daqui dois anos, até lá vamos continuar nosso ritmo de trabalho. Sempre que conseguimos viajamos, para que ela possa continuar se inspirando, esta foto é de nossa última viagem.
De forma inesperada encontrei o amor de minha vida!



Amizades virtuais


Amizades virtuais

Oi gente hoje eu vim aqui pra comentar uma coisa que eu considero importante pra caramba na vida do ser humano, as amizades.

Como o nome já entrega esse post é sobre amizades virtuais. 

Para mim, os amigos virtuais são mais presentes que os reais e digo até que os reais, tem mais contato comigo virtualmente.

Dentre tantas pessoas que conhecemos, ao longo dessa grande jornada chamada vida, eis aqui alguns que tem feito meus dias mais animados e me tirado alguns sorrisos, nesses fatídicos dias de depressão que 2016 me deu.

Então vamos ao povo que entrou pra lista dos amigos este ano!

Amizades virtuais

Olá guerreiros e guerreiras do meu coração de dragão! Sim!!!! Sáminera entrou na minha vida de um modo engraçado, me chamou no chat do face e só faltou o "Oi quer ser meu amigo de orkut?" (na real foi uma versão mais intimidadora, mas foi legal igual). 
Só que na verdade... Na realidade... (não, não cantarei, desculpa) eu conheci o blog dela antes, foi uma coisa tipo vi um post especificamente este "O QUE VOCÊ SONHAVA EM SER QUANDO ERA CRIANÇA?" que eu conheci o blog e eu pensei "Poxa... que legal isso daí, quero comentar" e deu de comentar? Deu? Não gente, não deu e eu deixei um recado no face, como resposta do post de divulgação dela, porque eu queria comentar! Caramba! 
Passado um tempo visitei o blog algumas outras vezes até que ela me abordou e ficamos abiguinhas desde então. 

A Flavi é uma pessoa maravilhosa, a louca do cabelo colorido, a louca dos lance medieval, e essas paradas aí que eu gosto e me identifico pra caramba. Engraçada, bem humorada, meio doida, confesso, mas é uma doidinha do bem e isso é muito legal.

Flavi meu desejo de 2017 pra você é bem específico: Que você tenha um sonho lúcido comendo feijoada com o Momoa sob uma aurora borreal! \o/

Amizades virtuais

Olá metamorphyos! Ai gente, eu acho que eu não sei exatamente como que eu comecei a ficar abiguinha dela, o que eu sei é que ela costumava sempre ir nos meus blogs e deixar comentários e com o tempo, nas interações de comunidades da vida, fomos nos aproximando e quando eu vi era uma das abiguinha novas da minha life. 

Eu gosto muito do conteúdo nerdzão dela e do seu jeito descontraído de encher a minha paciência, vivemos em pé de guerra, já apaguei comentários dela do meu face e ela grita em caps lock comigo (eu chorei tá?).

Brincadeiras a parte sáminera (também, é do mesmo antro que Flavi) foi uma das boas aquisições do roll de amigos da Lila e merece estar aqui na listinha porque sabe como é... Os teletubies se amam muito!

Bruna meu desejo de 2017 pra você é simples: Não trabalhe nunca com Comércio Exterior! Brincadeira, (engraçadona) que você possa realizar seus sonhos, que sua filhota seja cada dia mais anjinha e que o seu blog cresça até que suba a cabeça e eu tenha que te estapear pra você voltar ao normal! 


Amizades virtuais

Essa Bela (não a fera) (trocadilho infame...) é uma pessoa que eu conheci um belo dia, nos grupitchos da vida, me add no face conversou comigo e como o papo meio que morreu depois de um tempo ela me excluiu e eu nunca perdoarei ela por isso (mentira, nem fiquei chateada kkkkkk). Eis que, ora mas vejam só, a pessoa foi pra Finlândia, dai lá no frio intenso o cérebro dela congelou e quis ser minha abiguinha! (Unica explicação)

A Bela é uma pessoa legal, sempre gostei dela, achava ela uma fofa, curtia o blog, mas acho que um tempo atrás não rolava de conversar muito, porque eu não sou de forçar a amizade, lia e deixava (ou não) comentários e com o tempo foi rolando uma afinidade e hoje está na lista das minhas melhores amigas virtuais!

Bela meu desejo de 2017 pra você é que eu tenha grana pra mandar o teu presente, é só uma lembrancinha, mas eu acho que vai ter mais utilidade pra ti que pra mim.

Amizades virtuais

Oi pessoas da internet! Essa é uma das criaturinhas mais contraditórias que já vi! Eu gosto justamente da infinidade de nuances que ela tem é uma pessoa super sensível, me dá uns conselhos legais, é animadona e meio "Dark Side" mas é do bem e isso é bom, ela diz o que quer, faz o que gosta  eu admiro ela por ser assim tão "Eu sou eu e tenho dito".

O blog dela é uma mistura gostosa, tem dicas de tudo e é um cantinho, tipo esse meu, que tem tudo que der na telha e mais um pouco.

Nana pra 2017 te desejo dias preguiçosos, muitos makes e esmaltes pra resenhar, sei lá, de repente uma parceria com alguma marca de makes famosa e muito amor da Tef e do Alexandre!

Amizades virtuais

Oi Gurias e Guris! Essa gaúcha tri uma barbaridade é a nossa guru de aconselhamento para assuntos da vida, além de amigas somos parceiras de adiministração dos grupos Café com Blog e Interative-se e trabalhamos duro junto com a Diovana para que os grupos cresçam e sejam bons lugares de se divulgar e interagir, para os blogueiros!

A Tais é uma pessoa simples pra caramba com três pimpolhos e uma bagagem com várias experiências, que são sempre assunto nos bate papos. Já perdemos madrugada de papo e é sempre muito bom falar com ela! 

Tais, pra 2017 espero que tenhas sempre coisas boas e que consigas cada dia mais e mais dar um chega pra lá na depre, porque você é boa demais pra isso! Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima.



Além das meninas aí quero fazer algumas menções honrosas a outras pessoas que alegram meus dias:

Kari - Do reino de tão tão distante (Não tão distante quanto a Bela) é uma pessoa super bacana que sempre ta nos papos do grupo e que eu curti muito conhecer!

Carla - Que é escritora (que chique) e mamãe, daquelas over power que faz 900 mil coisas e ainda lê mais que eu kkkkkkk.

Camila - Que está também sempre presente, rindo das palhaçadas porque somos todas meio retardadas.

Diovana - Que é um docinho de pessoa meu pinguim preferido! Tem um blog lindo e é xonada por Harry Potter também.


É isso gente! Queria fazer esse agradinho pra esse povo maravilhoso que costuma tornar meus dias cinzas em dias mais coloridos. Amo vocês! Que 2017 seja incrível para todos nós!