Labirintite

19 dezembro Lila Martins 2 Comentarios

Olá pessoal, hoje me inspirei em uma experiência pessoal para escrever este post. Nesta segunda (16/12) passei umas 5 horas no Pronto Socorro no soro com uma crise de labirintite, não foi a primeira vez, mas esta com certeza foi a pior crise que eu tive, tem pelo menos uns 10 dias que no fim da tarde eu sinto um pouco de tontura, sexta eu estava consideravelmente pior, o fim de semana foi um terror e estes últimos dias, mesmo com a medicação indicada pelo médico ainda estão sendo muito difíceis, para quem não conhece a sensação predominante são as tonturas e vertigens, a sensação de que você não consegue caminhar em linha reta, pequenos obstáculos como degraus e calçadas desiguais parecem coisas imensas, você perde a noção de realidade e movimentos simples como virar a cabeça para olhar os lados antes de atravessar uma rua parecem impossíveis. É muito complicado de conviver, está sendo uma semana realmente chata, fora que tenho um sintoma mais atípico que são os tremores, espasmos musculares, mas esse acho que está mais relacionado ao estresse. Enfim vejam abaixo um pouco mais sobre a labirintite.


O que é Labirintite?

Labirintite é um distúrbio do ouvido que inclui irritação e inchaço do ouvido interno.


Causas:

Há muitas causas prováveis em geral ela normalmente ocorre após uma infecção no ouvido (otite média) ou uma infecção do trato urinário superior, também pode ocorrer após uma alergia ou após o uso de certos medicamentos que são perigosos para o ouvido interno.Processos inflamatórios, infecciosos e tumorais, doenças neurológicas, compressões mecânicas e alterações genéticas podem provocar crises de labirintite.

AdamAnatomia do ouvido
Durante as crises, as áreas do ouvido interno ficam irritadas e inflamadas. Isso interfere no funcionamento, que inclui a capacidade de manter o equilíbrio.
Abaixo algumas coisas que aumentam o risco:
  • Beber muito álcool
  • Fadiga
  • Histórico de alergias
  • Doença viral recente, infecção respiratória ou infecção no ouvido
  • Fumar
  • Estresse
  • O uso de certos medicamentos com ou sem prescrição (especialmente aspirina)


Diagnóstico:

Exames de ouvido comuns podem não revelar a labirintite. É necessária uma avaliação clínica e o exame otoneurológico completo mesmo porque há outras enfermidades com sintomas próximos da labirintite: hipoglicemia, diabetes, hipertensão, reumatismo, doença de Mèniére, esclerose múltipla, tumores no nervo auditivo, no cerebelo e em áreas do tronco cerebral, drogas ototóxicas, doenças imunológicas e a cinetose, também chamada de doença do movimento que não tem ligação com as doenças vestibulares ou do labirinto.


Os principais exames aplicados são a tomografia computadorizada e a ressonância magnética, assim como os testes labirínticos, podem ser úteis para fins diagnósticos. 
Sintomas:
Tonturas e vertigens, náuseas, vômitos, sudorese, alterações gastrintestinais, perda de audição, desequilíbrio, zumbidos, audição diminuída são os sintomas mais característicos da labirintite.Na vertigem, a sensação é que o ambiente gira ao redor do corpo, ou que este roda em relação ao ambiente. Na tontura, a sensação é de desequilíbrio, instabilidade, de pisar no vazio, de queda.A fase aguda da doença pode durar de minutos ou horas a dias conforme a intensidade da crise.
Tratamento
São vários os tipos de medicamentos que podem ser indicados no tratamento da labirintite entre eles:
* Vasodilatadores:  facilitam a circulação sanguínea e melhoram o calibre dos vasos muitas vezes reduzido.
* Labirinto-supressores: suprimem a tontura pela ação no sistema nervoso.
* Anticonvulsivantes e antidepressivos (inibidores seletivos de recaptação da serotonina)
* Drogas que atuam sobre outros sintomas, suprimindo a náusea, o vômito, o mal-estar.
Assim que diagnosticada de acordo e devidamente tratada com a medicação adequada, a tendência é a doença desaparecer.
Recomendações
Para quem tem incidência de crises de labirintite ai vão algumas sugestões:
* Evite o álcool;
* Não fume;
* Controle os níveis de colesterol, triglicérides e a glicemia;
* Cuide da alimentação (veja aqui);
* Pratique atividade física;
* Beba muita água;
* Fuja das bebidas gaseificadas que contêm quinino;
* Procure manter o equilíbrio da ansiedade e do estresse;




2 comentários:

  1. Muito úlil o seu post, Lila! Conheço várias pessoas que têm labirintite, inclusive minha mãe e realmente, quando a crise é forte, é um horror! :/
    Já coloquei seu banner como parceira lá no blog, viu?!
    Beeejo!

    http://maisumapaginalivros.blogspot.com.br/
    Mais Uma Página

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou! Eu resolvi escrever por isso mesmo, eu achei pouca coisa sobre o assunto daí resolvi juntar tudo num post só pra facilitar a vida de muita gente (o)

      Excluir